Lançamento: A Copa do Mundo do Faz de Conta

Lançamentos -

Lançamento: A Copa do Mundo do Faz de Conta

Tem livro saindo do forno: é A Copa do Mundo do Faz de Conta
O autor tem algumas palavrinhas para compartilhar com a gente - que tal saber mais sobre o processo desse livro?


Como escrevi "A Copa do Mundo do Faz de Conta"

Você confiaria num mico-leão-preto que aparecesse falando, no meio da noite, no seu quarto, e te convidasse para ir a um lugar que não existe?
Bem, é assim que esse livro começa. Mas vamos por partes.
Quando houve a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, tive a ideia de escrever um livro que falasse de futebol e Copa. Conversei com Eny Maia, minha editora. Ela gostou e me animou a fazer o projeto. Primeiro pensei numa história em versos. Mas percebi que estava influenciado pelo meu último livro, Cadê a Escola que Estava Aqui?
A Copa não é o maior campeonato de futebol do mundo, mas é o que tem mais repercussão. E inventar histórias é o que nós, escritores, fazemos. De certa forma, vivemos num mundo do faz de conta. Juntando essas duas observações, cheguei ao título do livro: A Copa do Mundo do Faz de Conta. Normalmente, em meus livros, o título é uma das últimas coisas que eu crio. Dessa vez, foi uma das primeiras.
Muito bem: uma copa no Mundo do Faz de Conta. Mas quem vai assisti-la? O futebol é um espaço tradicionalmente masculino, no qual as mulheres vêm conquistando espaço. Por isso escolhi uma menina como personagem principal. E batizei-a com o nome de minha neta: Valentina. Era ela quem iria assistir a essa Copa.
Mas como? Viagem com a família? Excursão com a turma da escola? Hum, não. Melhor uma aventura. E assim surgiu o segundo personagem do livro: Américo (esse levou o nome do meu avô paterno, que me contava muitas histórias). Américo aparece no meio da noite, no quarto de Valentina e fala com ela. Isso não teria nada demais, não fosse ele um mico-leão-preto. É esse personagem meio impossível de existir e surpreendente que vai levar Valentina ao Mundo do Faz de Conta, um lugar surpreendente e meio impossível de existir. E para uma viagem que vai acontecer no meio da noite e dá medo de encarar, nada melhor do que um meio de transporte também assustador para levar a nossa dupla: um bonde caindo aos pedaços, que mais parece que vai desmontar e que não anda por cima de trilhos. Não. Ele voa a toda pelos céus, sacolejando e soltando parafusos.  
E é assim, enfrentando desafios e encarando os medos que surgem, que Valentina é levada por Américo para assistir à partida final da Copa do Mundo do Faz de Conta.  
Uma decisão de Copa. Brasil x Alemanha? Itália x Holanda? Bem, essa é um pouco diferente: Castelândia do Sul x República Boiante dos Piratas. É que os países do Mundo do Faz de Conta são um pouco diferentes. Além desses dois, temos a Floresta Amazônica Encantada, a Ilha do Tesouro Muito Valioso Mesmo, o Fundo do Fundo do Mar e a Terra das Mil e Uma  Noites  de Sono. Valentina, Américo e os leitores e as leitoras do livro vão conhecer cada um desses países e suas histórias, assim como suas seleções. E também vão descobrir a lenda sobre a criação do futebol no Mundo do Faz de Conta, com os bichos e o bicho-homem tendo que enfrentar o Deus do Vento.
Valentina e Américo também acompanham as reportagens sobre todos os jogos da Copa e seus craques, como Rapunzel, Capitão Gancho, Bela Adormecida, Mula Sem Cabeça, Saci Pererê, o Gato de Botas, os Três Mosqueteiros e muitos outros, saídos dos contos de fada, de livros clássicos e do nosso folclore. Até chegarem à grande final: Castelândia do Sul x República Boiante dos Piratas. E o grande mistério que a envolve. Que eu não vou contar agora para não dar spoiler, não é? Mas acho que você vai gostar de descobrir, lendo A Copa do Mundo do Faz de Conta.٭

Cesar Cardoso


"Por meio do mico-leão-preto Américo, tal qual o coelho de Alice no País das Maravilhas, Cesar Cardoso leva a menina Valentina a um fascinante mundo de faz de conta, onde os leitores encontram uma divertida releitura de personagens famosos em um contexto de Copa de Mundo. Sim, futebol!
(...) quanto mais você conhecer sobre contos de fadas, clássicos da literatura e histórias do folclore brasileiro, mais poderá aproveitar a leitura deste livro e todas as brincadeiras envolvendo os personagens. Afinal, esse conhecimento é acessível e está espalhado não apenas em livros, mas em filmes, séries, desenhos animados, sites, histórias em quadrinhos. É cultura e, por isso mesmo, faz parte de quem somos como seres humanos."
 

Helena Gomes, autora do posfácio
 
(*) Helena Gomes é escritora, jornalista e apaixonada por contos de fadas. Pela Editora Biruta, publicouAs aventuras de Sargento Verde, finalista do Prêmio Jabuti, e participou da Coleção Contos e Contadoras.

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

Voltar ao topo